terça-feira, 15 de outubro de 2013

Medicação controlada e "tarja preta". O que isso significa?

 A maioria das medicações usadas em Psiquiatria são de emissão controlada, ou seja, necessitam de requisição médica em receituário especial. Isso acontece para que as pessoas não usem essas medicações de forma indiscriminada, e nem pratiquem a automedicação, o que pode causar riscos à saúde. É necessário para cada caso, o uso consciente da substância, com dose e tempo determinados e cuidados com a interação com outras medicações. O uso controlado faz com que a pessoa tenha a necessidade de fazer o acompanhamento junto a um profissional médico, de forma muito segura, otimizando seu tratamento e evitando riscos para sua saúde. A maioria das medicações usadas na prática psiquiátrica, como por exemplo, os antidepressivos, NÃO CAUSA DEPENDÊNCIA, ou seja, não vicia, e uma vez iniciado o tratamento, não significa que vai haver necessidade de usá-la para sempre, como muitas pessoas acreditam. As únicas medicações rotineiramente usadas em psiquiatria, que apresentam potencial de dependência, são os benzodiazepínicos (como por ex. o Rivotril (Clonazepam), que levam uma "tarja preta" na caixa, informando sobre o cuidado que se deve ter em seu uso. No entanto, o uso supervisionado e consciente, acompanhado de perto pelo médico, com tempo e dose seguras e bem determinados, não oferece riscos de dependência e podem ajudar bastante no início de alguns tratamentos.