terça-feira, 5 de agosto de 2014

TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO COM HIPERATIVIDADE(TDAH).


 1. O que é o Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH)?
R. Tema muito abordado na atualidade, o TDAH é um distúrbio do neurodesenvolvimento caracterizado por compr...ometimento de três áreas básicas: atenção, atividade psicomotora e impulsividade. Inicia-se antes dos 12 anos de idade e algumas vezes persiste na adolescência e idade adulta, gerando um grau mais ou menos intenso de comprometimento social.

2. Como é feito o diagnóstico? R. Existem milhares de postagens na internet sobre o tema, que muitas vezes acabam gerando mais confusão do que ajudando. Crianças com inquietude excessiva, comportamento impulsivo, dificuldade de ficar sentado ou em silêncio mesmo que por curtos períodos de tempo, desorganização extrema, dificuldade em manter a atenção na aula, com comprometimento do rendimento escolar, chamam a atenção para um possível diagnóstico do transtorno. No entanto, causas orgânicas e outras desordens da esfera emocional, psiquiátrica ou neurológica, podem confundir ou mesmo se sobrepor ao diagnóstico de TDAH e devem sempre ser analisadas por um médico psiquiatra para confirmar ou excluir o diagnóstico.

3. Como diferenciar o comportamento vigoroso das crianças, que é normal e saudável, do comportamento de uma criança com o transtorno? R. Às vezes é difícil. Por isso mesmo o paciente deve sempre ser avaliado por um especialista, que irá se basear em critérios bem estabelecidos, além de sua experiência clínica, para chegar a um diagnóstico correto.

4. É possível que uma pessoa seja diagnosticada com TDAH somente na idade adulta? Nesse caso, quais são os sinais e sintomas? R. Sim e isso ocorre com uma certa frequência. Geralmente os sintomas tendem a desaparecer ou diminuir com o passar do tempo, porém muitas pessoas sofrem sérios problemas durante toda a vida, sem ter um diagnóstico e um tratamento apropriados. Geralmente os sintomas na idade adulta giram principalmente na esfera dos déficits de atenção e impulsividade, com casamentos desfeitos, trocas frequentes de emprego e atritos familiares.

5. Uma vez diagnosticado, como é feito o tratamento? R. O tratamento deve ser de preferência feito com uma abordagem integrada, associando a terapia comportamental com o tratamento farmacológico. Há várias possibilidades de terapêutica medicamentosa, devendo a escolha ser feita de forma criteriosa, de acordo com as características e necessidades de cada paciente.